Misericórdia Irmão

Misericórdia é um sentimento de compaixão, despertado pela desgraça ou pela miséria alheia. A expressão misericórdia tem origem latina, é formada pela junção de miserere (ter compaixão), e cordis (coração). “Ter compaixão do coração”, significa ter capacidade de sentir aquilo que a outra pessoa sente, aproximar seus sentimentos dos sentimentos de alguém, ser solidário com as pessoas.

A cada instante ouço alguém utilizar essa palavra deliberadamente, quase que uma “força de expressão gospel” para solicitar da parte de Deus aquilo que nós deveríamos ter de sobra. O que muitas vezes eu percebo é que as pessoas querem que funcione como uma palavra mágica que ao ser dita tem um efeito instantâneo de “sei-la-o-quê” com força de substituir um “Deus-me-livre” ou um “cruz-credo”.

Essa palavra que permeia o vocabulário cristão tem se tornado escassa nas atitudes daqueles que fazem parte do “universo gospel “. O que vejo é a substituição dos atributos da misericórdia pela realização dos desejos egocêntricos daqueles que deveriam estar preocupados primeiro com o seu próximo! Não é isso que a bíblia nos ensina? Amar e cuidar daqueles que encontram-se no estado de miséria física, social, emocional e espiritual? Bom, se não for, então me avise, porque eu acho então que estou lendo outra bíblia!

Esse assunto me desperta alguns questionamentos, e entre muitos, existe um que me fez escrever essas linhas, o de que eu como cristão deveria ter MISERICÓDIA E COMPAIXÃO não apenas do meu irmão de fé mas principalmente do irmão que não sabe o que é fé; até porque fé vai muito além de crer em alguma coisa ou em alguém. A minha atitude de socorro deve estar acima da condição daquele que está necessitando. A misericórdia deve ser exercida pela compaixão e não pelo merecimento.

Fico pensando em Jesus e nas atitudes dos apóstolos da igreja primitiva, imagine que eles fossem usar de misericórdia somente com os que davam ouvidos ao que eles falavam. Imagina Jesus dizendo para a prostituta que seria apedrejada: “arrependa-se primeiro que depois eu te perdoo e te livro de ser apedrejada”. Não há como conceber no cristianismo misericórdia condicional, é o mesmo que pensar em cristão sem cristo, igreja sem amor e céu sem Deus. Não existe! foi isso mesmo que você leu, Misericórdia e compaixão não está condicionada à situação religiosa daquele que necessita, para torna-se viva a misericórdia depende apenas que a exerçamos incondicionalmente. A questão é que queremos ser misericordiosos somente com quem julgamos merecer. Nossas atitudes de socorro e amparo, nossos sentimentos de compaixão muitas vezes são apenas para aqueles que selecionamos em nossos julgamentos. Não podemos separa a misericórdia da compaixão e muitos menos do amor que por sua vez é o maior entre todos. Entenda, Misericórdia e Graça(divina) andam juntas. Se não conseguimos exercer a misericórdia dessa forma estamos muito longe de Deus e de seu amor expressado em Cristo.

Deixo aqui as palavras do apóstolo Tiago descritas no capítulo 2 e versículo 13 parte b.

“A misericórdia triunfa sobre o juízo”.

Gostou? Deixe o seu comentário!!!